Total de visualizações de página

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Natal com Jesus

Alex Atala e 9 chefs montam cesta com Guaraná Jesus e Cajuína*



O chef Alex Atala, eleito o quarto melhor do mundo em 2012, e mais nove chefs se reuniram para montar uma cesta de Natal diferente e com produtos regionais do Brasil. Com 35 produtos no total, a cesta inclui itens como guaraná Jesus, cajuína e manteiga de garrafa e está à venda do Mercadinho Dalva e Dito, loja ao lado do restaurante de mesmo nome de Atala em São Paulo, por R$ 600.

Alex Atala inclui mini-arroz, linha de granolas e baguetes com frutas e castanhas, que já são vendidas no Mercadinho. Os outros chefs, que estiveram à frente da cozinha este ano no evento “Dalva e Dito convida”, também indicaram suas opções. Patrícia Maranhão sugeriu o Guaraná Jesus. Já Ilma Veras, natural do Piauí, trouxe a cajuína, que é um refrigerante de caju comum no nordeste.

Edinho Engel incluiu o baiano azeite de dendê, e a manteiga de garrafa foi sugestão de Rodrigo Oliveira. Ainda, a carne de lata foi lembrada por Juarez Campos. Tiveram também espaço na cesta a cachaça de jambu (escolha de Thiago e Felipe Castanho), a geleia de mangaba (opção de Wanderson Medeiros) e a linguiça (inclusão de Janete Borges).

Cesta natalina do Dalva e Dito
Preço: R$ 600
Mercadinho Dalva e Dito
Endereço: rua Padre João Manuel, 1115, Cerqueira César, São Paulo
Telefone: 3068-4444
Horário de funcionamento: de segunda a sábado das 11h às 21h, e aos domingos, das 10h às 17h

* Do site de notícias Terra desta sexta-feira, 30
 

Chiabata musical

- Em São Paulo, peguei um jornal e deparei com a manchete “Grupo quer revolucionar a dança brasileira”. O nome dos “revolucionários” era Street Dance, mas o pior foi saber que pretendiam buscar as origens da nossa música em Chicago.

De Ariano Suassuna, na noite dessa quinta-feira, 29, em Recife, em crítica ácida ao festival de grupos e bobagens musicais a inundar o país.

Nem a “esfuziante” Lady Gaga foi poupada pelo escritor de 86 anos e pensamento cristalino.

- Olha que eu sou feio. E não é que ela consegue ser mais feia que eu!

Suassuna apresentava no “Blue Angels” seu “Tributo a Capiba”, de quem era grande amigo.

Pernambucano como ele e compositor versátil, Capiba ficou mais conhecido pela autoria de frevos famosos.
 

Prova dos nove

Um batalhão de 76.647 candidatos vai disputar 2.379 vagas na área da Segurança Pública do Maranhão.

Nem queira contar o exército que os espera aqui fora.

Melhor armado e treinado, e sem “soldados” aprovados em concurso.

O meu e o nosso

São Luís aguarda para este sábado o secretariado do prefeito eleito Holanda Júnior.

O anúncio chegará vazio em expectativas, exceto pelo número de postos que o padrinho Flávio Dino esteja disposto a abrir mão.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Aviso em gotas

Bastaram uns pingos de chuva na madrugada, e São Luís amanheceu como se um tsunami tivesse despejado sobre a cidade as águas das baías de São José e São Marcos.

O centro às escuras, de uma ponta a outra da ilha semáforos e serviços paralisados, trânsito mais caótico que no cotidiano, uma sucessão de batidas e engarrafamentos.

As centrais elétricas anunciam altos investimentos. Em quê, mesmo?

Reze para que o pandemônio não roube as luzes do Natal.

Escola da mediocridade


O retorno às pressas de Luís Felipe Scolari à seleção passa longe do desejo de torcedores e cartolas.

O motivo é evitar o vexame público de único país sem técnico no sorteio de sábado da Copa das Confederações.

Um brinde ao futebol retranca da dupla Scolari – Parreira!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Glu-glu

Viram alguém em desespero com o anúncio de suposta demissão em massa dos comissionados da prefeitura de São Luís?

E tudo por causa do arrastão cívico “Eu também sou amigo de um amigo do Holanda Júnior”.

O movimento chega às ruas nos próximos dias, com a clara intenção de garantir o peru dos desencastelados, neste que será o primeiro Natal holandês da ilha. 
Por enquanto, nenhum dos atuais secretários confirmou presença.
Por enquanto...

A lista negra

São Luís sai da lista de risco da dengue e entra em outra, ainda mais perigosa: a dos dengos ao prefeito eleito Holanda Júnior.

Haja cargos e mimos aos moribundos que perseguem a sombra das benesses municipais.  

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Cota de sacrifício

Caso apareça entre as vítimas do “choque de gestão” com o qual pretende modernizar a prefeitura de São Luís, Holanda Júnior sentirá ou não saudades dos salários de deputado federal?

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Gestão em choque

Se o “choque de gestão” do prefeito eleito de São Luís só é capaz de derrubar servidores comissionados e salários encastelados, não seria mais adequado romper o contrato com a empresa mineira dona da ideia e ouvir os técnicos da companhia energética local?

O gigante

Maior navio de transporte de minérios do mundo, o Vale Brasil, da Vale, tem 362 metros de comprimento. É maior, portanto, que a Torre Eiffel, em Paris.

O gigante tem capacidade de receber 400.000 toneladas por viagem nos sete porões.

Apenas dois terminais no país estão aptos a operar a carga que seguirá para o mercado asiático: os portos da Ponta da Madeira (São Luís) e Tubarão (Vitória, ES).

A outra mira

Mero exercício especulativo...

Vamos supor que, ungido pelos ventos da baía de São José, o prefeito Holanda Júnior queira ele mesmo ouvir de perto o rugir dos Leões.

No contar das horas

Talvez seja um disfarce ao sumiço do Holanda Júnior.

Ainda nem acertaram as contas do pleito municipal, e foram buscar empréstimo mais polpudo e sem garantia de pagamento: a candidatura dinista ao governo do Maranhão em 2014.
Com dois anos de antecedência? Sei não!

Até lá, ou os dinossauros voltam a dominar a terra, ou o lobo mau engole a fábula e os três porquinhos.
 

domingo, 25 de novembro de 2012

Viu?

Cresce a olhos vistos, pelo país, a apreensão de maconha.

Crack, merla e cocaína?

Perderam de vista.

Os maus e os piores

“Só se ganha uma guerra sendo tão mau quanto o inimigo. O que me preocupa é descobrir que podemos ser piores do que eles...”.

Do capitão Keith Mallory, personagem de Gregory Peck em “Os Canhões de Navarone”, filme de 1961.

sábado, 24 de novembro de 2012

A herança

Do modo que a equipe de transição vai fundo nas contas da prefeitura de São Luís, a qualquer hora virá à tona o testamento de Daniel de La Touche.

E as dívidas contraídas dentro e fora dos castelos e palácios.

O crime da mala

São Luís, agosto de 1873. A capital do Maranhão sofre forte abalo com a notícia e detalhes de crime bárbaro.

A vítima: a mulata Maria da Conceição, a Mariquinhas, empregada e amante do patrão. O assassino: o desembargador José Cândido Pontes Visgueiro.

O caso Pontes Visgueiro – como ficou conhecido na história judiciária brasileira – emocionou o país à época. São célebres o julgamento e a estratégia da defesa para inocentar o réu famoso.

Homem de 62 anos, solitário e surdo, o desembargador se apaixonara pela jovem Mariquinhas. Em provável acesso de ciúmes a mata a facadas e enterra o corpo no jardim do sobrado onde morava na Rua 13 de Maio, 124 (centro histórico).  

O crime - também conhecido como "Crime da Mala - logo seria descoberto. Pontes Visgueiro é preso e a população passa a exigir pena de morte ao homicida.

O desembargador seria julgado pelo Supremo Tribunal de Justiça, em 13 de maio de 1874. O procurador da Coroa, Francisco Baltazar da Silveira, pede condenação máxima.

Franklin Dória, o Barão de Loreto, é indicado pelo magistrado para defendê-lo.


Advogado brilhante, Dória recorre à tese de transtorno mental do réu ao cometer o assassinato, e a ilustra com exemplos clássicos de crimes perversos cometidos pelo mundo. Dória relembra as atitudes e a motivação dos executores. A estratégia não surte o efeito esperado.

Condenado às galés, Visgueiro tem a pena substituída pela prisão perpétua, por ser maior de 60 anos, e irá cumpri-la na Penitenciária da Corte, no Rio de Janeiro.

Ministro da Justiça, Duarte de Azevedo, ao inspecionar o local o encontra uniformizado, a cabeça e barba raspadas.


O desembargador recebe permissão para falar com o ministro, a quem apresenta requerimento com pedido de despacho favorável.

- Os magistrados são vitalícios e eu sou desembargador!
- Foi! , rabiscou a lápis Duarte de Azevedo no papel.


O episódio retrata a segunda e última sentença.  

Pontes Visgueiro morre em 24 de março de 1875, menos de um ano após ser aprisionado.

Decepção única

A pequenina Tutoia, no Maranhão, foi palco no século passado de fato político por certo inédito na história do país.

Maior liderança do município, Paulino Gomes Neves (foto) é escorraçado do Poder com a ascensão de Getúlio Vargas, vitorioso com a "Revolução de 30".

Tutoia não escapa dos tentáculos do golpe ditatorial.

Em dezembro de 1930 aporta ali o rebocador "São Bento". O destacamento militar tem ordens para intervir em todos os cargos públicos.
Toma assento na prefeitura Celso Gomes da Fonseca, interventor nomeado pelo governador José Maria dos Reis Perdigão.
Fonseca reconhece o chefe político como homem de prestígio na esfera estadual, e decide devolver a ele o comando da cidade. Neves recusa.
- Decepção, eu só recebo uma vez – arremata, indo embora.
O interventor coleciona único “mérito” administrativo: concluir o prédio da prefeitura.

 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A ferro e fogo

"Os dados mais recentes do Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho, publicado pela Previdência Social, apontam, entre 2008 e 2010, a produção de ferro gusa entre os 20 segmentos econômicos que tiveram maior incidência de acidentes de trabalho, doenças ocupacionais e incapacidade temporária de trabalhadores no Maranhão (em proporção ao número de empregos mantidos por cada setor). O Anuário leva em conta mais de 250 atividades econômicas desenvolvidas no estado."

Trecho da matéria “Mortes e acidentes de trabalho mancham produção de ferro no Maranhão”, do Repórter Brasil, e que resgata a trajetória de acidentes na indústria de ferro gusa no estado.

Trem bão!

Depois da malfadada implantação do VLT pela prefeitura, agora é a vez do governo do Estado anunciar o Trem Regional de Passageiros (TRP), que ligaria São Luís a Itapecuru-Mirim.

O projeto governamental seria viabilizado por acordo de cooperação técnica entre o Ministério dos Transportes e a Universidade Federal de Minas Gerais.
Tem mineiro na linha, é trem bão!
Pelo menos costumava ser...

O Enem é nosso (dois)

Com 5 piores do Enem, MA já teve 5 secretários no atual governo

Com cinco das escolas pior colocadas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, o Estado do Maranhão já teve cinco secretários diferentes de Educação, desde o início da gestão de Roseana Sarney (PMDB), que chegou ao governo em abril de 2009. Segundo professores e parlamentares, o Estado é um dos únicos do País que não possuem plano de educação, além das greves anuais ¿ a última durou 78 dias - por mudanças no estatuto dos educadores.
 
"O Maranhão é um dos poucos Estados que não tem plano estadual de educação. É um Estado que faz educação, organiza um sistema, mas sem ter plano estadual, não tem metas nem diretrizes, então você imagina como é", diz o secretario de políticas educacionais do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Maranhão, Adair José Neves. "Sem plano de educação e com a mudança periódica de secretários, dá para ter uma ideia de como é essa rede, é um sistema sem plano", completa.

Já o deputado estadual comunista Rubens Pereira Júnior direciona para o governo as críticas, após os resultados apontados pelo Enem. "A responsabilidade é exclusivamente do poder Executivo, no Maranhão é a marca da atual gestão (...) o governo no ano passado fechou inúmeras escolas, justificando que várias estavam ociosas e há um rodízio de secretários. O atual é o quinto desde que Roseana assumiu em 2009".

Neves diz que além de tudo, o estatuto do educador está defasado, o que cria diversos problemas para remuneração dos professores, que possuem salário base de pouco mais de R$ 700, mas que com gratificações, que podem chegar a 130%, recebem salário próximo do piso nacional. Outro problema são os professores contratados, que recebem apenas o salário base. "Como um professor coma mesma formação do concursado consegue trabalhar pela metade do salário?", pergunta.

Além dos professores selecionados sem concurso, o deputado diz que outro problema são educadores formados em um disciplina, mas que dão aula de outra. "O Maranhão tem um enorme contingente de professores contratados sem concurso. Além disso tem muito professor que é formado em português, mas dá aula de química. Esse resultado do Enem mede diretamente o resultado da educação publica estadual", finaliza Pereira.

Piores do Enem

Das 10 escolas com piores índices no Enem, cinco são instituições públicas do Maranhão. Em último lugar de todo o Brasil, aparece o Centro de Ensino Aquiles Lisboa, no município de São Domingos do Azeitão, que fica na região sul do Maranhão. A escola com pior desempenho do obteve 383,71 pontos no exame.

Na lista das piores também aparece o colégio José Maria de Araújo, do município de Olinda Nova do Maranhão, que obteve 393,52 pontos; o colégio Maria do Socorro Almeida Ribeiro Anexo III-Limão, de Centro Novo do Maranhão, com 394,55 pontos; a escola Professora Leda Tajra - Anexo Juçara, localizada em Buriti Bravo, com 396,54 pontos; e Lucas Coelho, da cidade de Benedito Leite, que chegou a 397,20 pontos.

Mais de 250 pontos separam o melhor desempenho do Maranhão, que ficou com o Centro Educacional Montessoriano Reino Infantil, escola particular de São Luís, do pior desempenho obtido no Estado. A escola com melhor colocação no Maranhão obteve nota 643,62. O segundo lugar ficou com a Escola Crescimento (619,80 pontos). Em seguida ficaram o Colégio Educator (616,16), o Centro de Ensino Upaon-Açu (596,64), o Colégio Dom Bosco (596,01) e o Ifma (587,26), todos em São Luís.

* do site de notícias Terra na tarde nesta sexta-feira, 23

O Enem é nosso

O Maranhão é referência nacional negativa no Enem 2011.

Levou o primeiro lugar e emplacou mais quatro escolas entre as 10 piores, na média geral do exame.

Não se via nada igual por aqui desde o naufrágio do Maria Celeste.

E se os colégios públicos estão assim, haveria algo melhor nos municípios onde estão sediados?

Os nossos campeões:
C.E. Aquiles Lisboa - São Domingos do Azeitão – 383,71 pontos
C.E. José Maria de Araújo - Olinda Nova do Maranhão – 393,52 pontos
C.E. Maria do Socorro Almeida Ribeiro - Centro Novo do Maranhão – 394,55 pontos

C.E. Professora Lêda Tajra - Buriti Bravo  

C.E. Lucas Coêlho - Benedito Leite – 397,20 pontos

 

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O preso ilustre

O caso ocorreu há anos, e permanece imbatível no anedotário da polícia maranhense.

Empresário de São Luís foi a uma delegacia dar queixa contra uma construtora que fizera serviço em imóvel seu, porém sem a qualidade exigida por ele.

Ao anotar os dados do queixoso, o escrivão soube: tinha diante de si um foragido da justiça.

Recebeu voz de prisão e foi encaminhado a uma cela sob intenso protesto e brados de “sabe com quem está falando?”. Ambos não colaram.  
O banco de dados do sistema de segurança pública o denunciara como autor de ferimento à bala de um homem com que discutira em um bar, anos antes.
Livre do flagrante, contudo intimado a prestar depoimento, simplesmente ignorou a convocação.
Graças ao vasto círculo de amigos – vários bem posicionados no meio social e no governo – o agressor conseguiu se desvencilhar de processo tenebroso.

Os amigos da onça sempre recorriam à história para tirá-lo do sério.  
Nunca se soube de empresário que, tão bem sucedido nos negócios, tenha vertido tanto choro nesta terra.

  

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

$aúde de sobra

Grupo empresarial de outro estado tem tudo já engatilhado para erguer um grande hospital em São Luís.

O empreendimento será bem maior que UDI e São Domingos unidos, dizem na área médica.

Os investidores pretendem abocanhar fatia da população que, hoje, ou voa rumo a São Paulo, ou pena pelos corredores superlotados dos “Socorrões” pagos.    

O coma e a soma

De um incorrigível gozador das invencionices do Maranhão:

- Até na política tentam encontrar vias respiratórias. Mas enquanto aqui tudo agoniza, só a UDI e o São Domingos escapam do coma profundo.    

Meu mundo caiu

O prefeito João Castelo garante o pagamento do 13º, mas prevê demissões.

Uma derrota põe a perder um campeonato; em outros, a cabeça 

De repente, treinador e time percebem que a bola é oval, o campo fora construído em poço sem fundo e a torcida em totalidade torce pelo adversário.

Imagine o que ele faria se os servidores que quer demitir tivessem chegado aos postos de trabalho por obra e graça do eleito Holanda Júnior...

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Tombos sem assombro

“Maranhão corre o risco de virar um dos estados mais violentos do país”, alerta o deputado Marcelo Tavares.

Mais de 700 assassinatos em São Luís, e antes de acabar o ano.

A mídia listou outros 35 casos nos primeiros quinze dias de novembro.

As mortes do feriadão ainda não.
 
Alguém contou os tombos depois da Ponte da Estiva?

A crise é deles

Eis a prova definitiva do conhecido desapego das autoridades ludovicenses aos bens materiais. 

Anunciam o sumiço de R$ 200 milhões do Orçamento 2013 da Prefeitura, e ninguém por aqui estrebucha ou corre atrás do prejuízo.

São Paulo, coitado, luta por repatriar R$ 22 milhões de Maluf.

Mais uma vez deixamos abismada a Europa em crise.   

domingo, 18 de novembro de 2012

A cidade e o interventor

Paulo Ramos é uma das maiores incógnitas políticas e administrativas do Maranhão.

Interventor do Estado por quase nove anos (1936 a 1945), se revelaria gestor de atos extremos.

Sob o pretexto de abrir caminho a uma São Luís moderna, em 1941 mandou demolir número expressivo de casas coloniais para a abertura da Avenida Magalhães de Almeida.  

Foi Ramos quem criou o Banco do Estado, mais tarde transformado em Banco do Estado do Maranhão (BEM), vendido ao Bradesco em 2004; e o Departamento de Estradas de Rodagem (DER).
Entregou o governo sem dívidas a Clodomir Cardosoem março de 1945.

Sua administração é marcada por obras e denúncias de desmandos.

Saiu do Poder sem suspeitas de irregularidades, pobre e conhecido pela negativa de favores aos amigos.

Talvez seja o único até hoje a envergar semelhante currículo.

A praça e as trapaças

“... é um logradouro careca, enfeado ainda mais por dois megatérios¹, ou coisa que o valha, de cimento armado, havidos por abrigos públicos, obra de fancaria das muitas infelizes administrações municipais que temos tido...”.

Desabafo do pesquisador e historiador Domingos Vieira Filho (1924-1981), em registro sobre as intensas e descabidas intervenções feitas ao longo dos anos na Praça João Lisboa, a mais antiga de São Luís.

O capuchinho Claude d´Abbeville – que veio na expedição francesa de Daniel de La Touche ao Maranhão, e cuidou dos registros da viagem com Yves d´Vreux – a descreveu como “cômoda e agradável”.

Nos anos 30 e 40, o prefeito Antônio Bayma e, em seguida, o interventor do Estado, Paulo Ramos, mandaram arrancar as mangueiras seculares e árvores de sombra que guarneciam a praça. O propósito de ambos seria o de “modernizar a cidade”.

Crítico da dendrofobia² de época, Domingos Vieira Filho não pouca a substituição das árvores por “acácias raquíticas, frágeis, enfezadas, que nunca disseram a que vieram”.

Em razão da igreja e do convento, erguidos no século XVII, a praça ficaria conhecida como Largo do Carmo.

A denominação Praça João Lisboa foi adotada em 1901, em homenagem ao jornalista maranhense famoso na imprensa nacional.

Em 1643, as tropas de Antônio Teixeira de Melo ali derrotaram os invasores holandeses.

Na praça também existiu um pelourinho no qual eram castigados em públicos os negros.

A peça em mármore foi destruída a golpes de marreta em 1º de novembro de 1889, duas semanas antes da Proclamação da República.
 

(1) O historiador usa megatério no sentido de monstro. O substantivo se aplica às preguiças-gigantes que vieram na América do Sul;
(2) Dendrofobia é o medo ou aversão profunda a árvores.

 

 

 

sábado, 17 de novembro de 2012

A vida é passageira

A construção do VLT seguiu o rumo da candidatura do prefeito João Castelo.

Agora em dezembro, o protótipo da composição enviada a São Luís retorna ao fabricante.

O prefeito eleito Holanda Júnior não demonstra entusiasmo no avanço do projeto do adversário.

Nem pergunte o custo dos 800 metros que unem o nada a coisa nenhuma.
 

 

Via escorregadia

Nem pense em encarar o perigo na Via Expressa e áreas próximas quando começar a chover, tal é o volume de terra desprotegida ao longo da avenida.

Falta luz na via? É, mas não falta quem assalte com lanterna e infravermelho

A obra está paralisada ou conseguiu superar a tua pressa?

Discreto secreto

É bom saber que Holanda Júnior é reservado.

Tal qualidade, contudo, não vai prejudicar a reserva de um bom tempo para administrar São Luís, vai?

O sumiço momentâneo do prefeito eleito é algo da reserva pessoal, dizem.

Tomara!

 

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Ponto discordante

Cptur quer reduzir crimes em pontos turísticos de São Luís.

E quem vai cuidar do "ponto G" e outros pontos?

Os turistas ou grevistas do Samu?

Por trás das vias

Convicta da sua viabilidade como terceira via nas eleições para o governo do Maranhão em 2014, a deputada Eliziane Gama deve estar preparada.

Afinal, o caminho é longo e sabe-se lá quais armadilhas escondem as vias oblíquas.

Surdos-mudos

Em São Luís, 120 pessoas foram autuadas este ano por poluição sonora.

Candidatos a prefeito e a vereador ficaram de fora da lista.

Polícia e comunidade nada ouviram de nenhum deles.

Campanha, promessas, risos ou choro.  

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O que o caixa não mostra

Não passa de ameaça inócua a de paralisação das empresas de transportes urbanos de São Luís por quebra de caixa

Basta apertar um pouquinho – e nem é preciso acenar nova licitação das linhas – e aparecerá dinheiro até para o 26º salário de motoristas e cobradores. 

Imagine se dão olham os ônibus com mais de dez anos de uso e, de quebra, velocímetros e tacógrafos. 

Há quem nem saiba o que é isso, garantem.

Natal no escuro

O sistema de transporte urbano de São Luís diz não ter dinheiro para o 13º salário de motoristas e cobradores. 

Vai ver é por isso que os ônibus são velhos e rodam com combustível doado pela prefeitura. 

Pelo menos o Natal dos empresários está garantido, não?

Revolta americana

Dos 50 estados norte-americanos, 28 apresentaram petição para se ver livres dos Estados Unidos e criar o seu próprio governo.

A de maior destaque até agora é a do Texas. Reúne quase 60 mil assinaturas de revoltados com a política interna de Obama.

“Sendo o Texas a 15ª maior economia do mundo, é viável que saia da união de estados norte-americanos e assim proteja o estilo de vida dos seus habitantes e reassegure os seus direitos e liberdades”, lê-se na petição.

Os documentos têm 30 dias para alcançarem 250 mil assinaturas, número mínimo para que sejam consideradas pelo governo federal.

A revolta é apenas simbólica – a estrutura política americana não permite a um estado o direito de sair da república federal –, contudo sinaliza divisão no país. 

No site da Casa Branca é possível conhecer o teor dos pedidos e também requerimento a exigir a recontagem dos votos das eleições presidenciais.

Os subscritores as consideraram uma “fraude”.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Camelôdromos

Um milhão de habitantes, São Luís tem suporte para receber mais um shopping?

Deve ter, suponho.

Atualmente, vende-se de tudo por aqui. Difícil mesmo é encontrar quem possa pagar.

Ou possa abandonar a Rua Grande e o Mercado Central.  

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Erro de multiplicação

Dez dos 15 vereadores reeleitos em São Luís ficaram mais ricos em 4 anos.

Logo se vê: nem tudo o que é partido é rachado igualitariamente.

Assim começam os rachas e os abatimentos.

Lavatório geral

Oxalá ao retirarem a expressão “Deus seja louvado” das cédulas de real, como quer o Ministério Público Federal, não a substituam por “O pecado seja lavado”.

Ainda que possam alegar blasfêmia no slogan, não haveria nada mais apropriado para a imensa lavanderia que se transformou o país.

E tudo com a cara mais limpa...

Puxando a fila


Não fosse a foto em jornal do deputado Carlos Brandão com o senador Aécio Neves, juraria que a bancada do Maranhão na Câmara Federal tinha sido desbancada por algo pior que o Sandy

Esse pessoal adora pregar susto nos eleitores, não é mesmo?

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Pote vazio

Os prefeitos eleitos no Maranhão promovem sessões diárias de choro na sede da Federação dos Municípios (Famem). 

A grande maioria sequer imagina o que vai encontrar pela frente a partir de 1º de janeiro. 

Dívidas astronômicas e funcionalismo com atraso de salários têm pauta garantida em todas as conversas. 

Governadora e secretários se preparem. 

O chororô chega ao Palácio dos Leões antes do Natal.

Novo sacrifício, não!

Ainda que tenham levantado a hipótese, a falta de balneabilidade nas praias de São Luís não é mais uma medida de austeridade da equipe de transição do novo prefeito.

E dizer que a pouco mais de um mês o secretário Ricardo Murad colocou em risco a própria saúde ao desafiar as ondas da Litorânea

Por orientação da sua assessoria, o secretário deve esquecer por enquanto qualquer esgotamento nervoso. 

Banhos de mar na ilha, nem pensar! 

Páreo duro

Não deve ser pelo sobrenome do novo vice-prefeito, e chefe do pente fino nas contas da prefeitura de São Luís, mas a equipe de trabalho de Roberto Rocha recebeu apelido pomposo: 

- Arrocha!

 

domingo, 11 de novembro de 2012

Fora dos trilhos

Um reajuste nas passagens de ônibus urbanos não é bem o que esperava São Luís, mas a proposta da equipe de transição do novo prefeito mostra o quanto a cidade esteve afastada dos discursos e práticas oposicionistas. 

Imagine o que os novos ocupantes do La Ravardière vão sugeriu para corrigir a rota do tal VLT herdado de Castelo.

Nada mais leve que trilhos, supõe-se logo.

Na fila

Caso insista em peregrinação aos ministérios do governo Dilma, é possível que Holanda Júnior chegue ao final de 2013 sem conhecer quarta parte do La Ravardière

Ora, se o prefeito eleito tinha todas as respostas a São Luís, ainda em campanha, o que tanto pede ao governo federal?  

Presentes de Natal?